Weby shortcut
Bandeira Reino Unido
Youtube da UFG
Instagram da UFG
Picasa da UFG
Radio universitária
TV UFG
Boletim Econômico

Queda na indústria pode impactar PIB goiano

Por Mariza Fernandes Santos. Criada em 21/09/18 16:48.

Indústria é atividade econômica com pior desempenho em 2018

A equipe da Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Ciências Econômicas da UFG (FACE), coordenada pelos professores Edson Roberto Vieira e Antônio Marcos de Queiroz, divulgou mais um Boletim de Conjuntura Econômica de Goiás. Em seu número 101, o documento traz informações e análises referentes a setembro de 2018.

Entre as atividades econômicas do estado de Goiás, a indústria é a que está com pior desempenho em 2018. O comércio e os serviços registraram recuo até o mês de julho/2018, mas a queda da indústria é superior à dessas duas atividades. Neste período, as vendas do comércio varejista caíram 2,2%, o volume de serviços recuou 0,5% e a produção industrial do estado diminuiu 3,8%.

A questão é que alguns setores que têm importante peso no total da produção industrial goiana estão empurrando o indicador ladeira abaixo. Este é o caso da produção de veículos, que acumula queda de 7,1% no ano, da produção de alimentos e bebidas, com recuo de 5,6%, e da fabricação de biocombustíveis, cuja diminuição é de 3,9%. As indústrias extrativas e a fabricação de produtos farmoquímicos e farmacêuticos são importantes para a indústria goiana e registram resultados positivos até agora, contrabalançando os resultados negativos dos outros setores mencionados.

Os últimos dados disponibilizados pelo IBGE dão conta de que a indústria é responsável por cerca de um quarto do PIB de Goiás. Se continuar no ritmo que está neste ano, este setor deve ter impacto negativo de cerca de 1,0% sobre o PIB goiano. E dificilmente os setores de comércio e serviços farão contraponto a este impacto da indústria, haja vista que também estão em movimento de queda em 2018. O segundo semestre/2018 foi iniciado com queda de 2,0% do volume de serviços e aumento de apenas 0,3% das vendas do comércio varejista do estado.

O setor agropecuário talvez ganhe mais relevância neste sentido. Embora contribua com pouco mais de 10,0% do PIB goiano, e ainda que a produção de grãos o estado em 2018 tenda a fechar em volume inferior à 2017 (21,64 milhões de toneladas contra 22,81 milhões de toneladas nestes dois anos, respectivamente), os bons preços da soja e do milho registrados neste ano devem garantir uma boa renda para o setor.

O Comitê de Política Monetária no Banco (Copom) manteve a taxa básica de juros da economia brasileira (Selic) em 6,5%, mas continuam as discussões sobre os juros altos pagos pelos tomadores finais de crédito no país. E o desemprego, ainda que tenha recuado um pouco, continua alto, com cerca de 13 milhões de pessoas desocupadas no Brasil (taxa de 12,4%) e 342 mil em Goiás (taxa de 9,5%) no segundo trimestre desse ano.

Isso tudo acaba sendo agravado pelas incertezas no campo político, que têm abalado os mercados e desiludido a população. O que parece mais certo é que a economia vai continuar andando de lado, sem conseguir avançar em 2018.

Categorias: Notícias