Virada Ambiental planta 1.200 mudas nas margens do Córrego Samambaia 3

Virada Ambiental planta 1.200 mudas nas margens do Córrego Samambaia

Em 22/11/21 16:05. Atualizada em 23/11/21 09:43.

Ação faz parte de projeto de recuperação do afluente do Rio Meia Ponte

Texto: Mariza Fernandes

Fotos: Carlos Siqueira

Um projeto cuja essência é a palavra “parceria”. Essa foi a frase do diretor de extensão da UFG, Emiliano Lôbo, para definir a terceira edição da Virada Ambiental, realizada na manhã desta segunda-feira (22), em uma área próxima à Escola de Agronomia da Universidade Federal de Goiás (EA/UFG). Às 7h da manhã, os cerca de 80 voluntários, número que superou as expectativas dos organizadores, começaram a chegar ao local para fazer o plantio de 1.200 mudas.

Virada Ambiental planta 1.200 mudas nas margens do Córrego Samambaia
Reitor da UFG, Edward Madureira, participou do plantio. Fotos: Carlos Siqueira

 

Entre os voluntários, estava a professora Letícia de Almeida Gonçalves, do Instituto de Ciências Biológicas (ICB/UFG), que convidou alguns estudantes do Programa de Educação Tutorial (PET-Biologia) e da Liga Acadêmica de Biodiversidade Vegetal e Interações para acompanhá-la. “Neste ano, a ideia é aproveitar esse momento da Virada Ambiental para fazer uma ação de recuperação de uma área de proteção ambiental”, explicou Letícia. Clique aqui para acessar o álbum de fotos completo

Recuperação das margens do Córrego Samambaia

O local onde a ação ocorreu não foi escolhido ao acaso. Trata-se de uma Área de Preservação Permanente (APP) do Córrego Samambaia, que é um afluente do Rio Meia Ponte. De acordo com o pró-reitor de administração e finanças da UFG e coordenador do projeto UFG Sustentável, Robson Maia Geraldine, a universidade tem realizado tentativas de recuperar a área há alguns anos. “Desta vez, adotamos uma estratégia que permite o uso de maquinário para fazer a manutenção da área”, explicou. 

Virada Ambiental planta 1.200 mudas nas margens do Córrego Samambaia 4
Foram selecionadas espécies que conseguem sobreviver ao ambiente de nascente, onde o solo é bastante úmido

 

A ação desta segunda-feira foi a primeira de três etapas que devem resultar na recuperação de toda a margem do Córrego Samambaia, até o Rio Meia Ponte. A segunda e a terceira etapa serão realizadas em 2022 e 2023. Entre as espécies utilizadas no plantio, estão o Buriti, o Ingá, o Jatobá, a Barriguda e a Embaúba. De acordo com o professor do curso de Engenharia Florestal e coordenador do Viveiro-Escola da UFG, Fábio Venturoli, foram selecionadas espécies que conseguem sobreviver ao ambiente de nascente, onde o solo é bastante úmido.

Parcerias

As 1.200 mudas foram produzidas no Viveiro-Escola da UFG e foram adquiridas pela empresa privada Saga Moto, que se comprometeu a doar uma muda para cada moto ou barco comercializado. A parceria marca um novo momento do Projeto Virada Ambiental, que é realizado desde 2019 em parceria com diversas entidades públicas e, a partir de agora, conta também com uma empresa privada. “Com isso, o projeto ganha força para atingir cada vez mais pessoas e mais municípios”, comemorou Emiliano Lôbo, que coordena o projeto de extensão. A Virada Ambiental ocorreu em 178 municípios localizados em 7 estados brasileiros e em 3 outros países: Chile, Portugal e Espanha. 

Virada Ambiental planta 1.200 mudas nas margens do Córrego Samambaia 2
Plantio foi realizado por voluntários

 

Outra novidade na edição deste ano é que a Virada Ambiental deixou de realizar somente o plantio e passou a ser uma ação de capacitação de servidores das secretarias municipais de meio ambiente, se consolidando como uma iniciativa de mobilização social para incentivar o plantio de espécies nativas com o objetivo de resgatar a biodiversidade e recuperar serviços ambientais dos ecossistemas. 

O evento acontece anualmente em 22 de novembro, Dia Estadual da Consciência Ambiental, instituído pela Lei 20.552, de 11 de setembro de 2019. Para fazer parte, o município deve aderir ao projeto e se comprometer com o plantio orientado de mudas de árvores nativas durante o mês de novembro. A escolha do mês de novembro se deu, principalmente, por ser o início do período chuvoso, momento ideal para o plantio no Cerrado. 

Além dos representantes da UFG, estiveram presentes no evento, o presidente da Associação Goiana de Municípios (AGM) e prefeito de Goianira, Carlos Alberto Andrade Oliveira; o prefeito de Rialma e representante da Federação Goiana de Municípios (FGM), Frederico Gonçalves Vidigal; o diretor de Assistência Técnica e Extensão Rural da Agência Goiana de Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária (Emater GO), Antelmo Teixeira Alves; a Chefe de Gabinete da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), Glaucilene Duarte Carvalho; o representante do Deputado Lucas Calil, João Farias; e a superintendente de Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Saneago, Camila Roncato. 

Fonte: Secom UFG

Categorias: Notícias Virada Ambiental Proec Proad