tempo

Tempo e trabalho remoto: como gerenciar prioridades

Em 16/09/20 15:29. Atualizada em 30/09/20 11:18.

Foco e organização podem auxiliar na gestão do tempo

Kharen Stecca

Com a pandemia da Covid-19 o trabalho remoto foi adotado como forma de auxiliar no distanciamento social, não só na Universidade Federal de Goiás, mas em diversas instituições e empresas. Para isso, foi necessário reorganizar nosso tempo. Além da necessidade de se organizar em um novo ambiente, trabalhando longe dos colegas, atividades da vida privada que antes podiam ser delegadas passaram a se misturar ao tempo de trabalho, como é o caso do cuidado com as crianças e o preparo de refeições. De um dia para o outro, tudo precisou ser adaptado para um mesmo tempo e espaço.
Como, então, diante desse desafio, gerir o tempo de forma a cumprir o trabalho e, ao mesmo tempo, cuidar de si, da família e evitar distrações desnecessárias? Segundo a técnica-administrativa da UFG, Laize Vieira, que já ofereceu cursos e palestras sobre gestão do tempo na universidade, inclusive durante a pandemia, na prática, o que podemos fazer é um bom uso dele por meio de boas escolhas e tomada de decisões diariamente. “Gestão do tempo é, na verdade, gestão das nossas escolhas e, para conseguir isso, é preciso desenvolver hábitos que nos ajudem a ser mais organizados.” Outro ponto importante ressaltado por ela, é que não podemos ser mais produtivos e focados sem um alvo, um porquê, um para quê que nos mobilize a agir nessa direção.
Mas tudo isso realmente tornou-se mais complicado em um cenário de pandemia. O relações públicas e técnico administrativo da UFG, Douglas Prado, lembra que para lidar com esses desafios as pessoas tiveram que estabelecer limites, conciliar suas agendas com as dos demais membros da família e organizarem um espaço e ambiente adequado ao trabalho em casa. Neste cenário, Laize Vieira acredita que tarefas ou compromissos com prazo devem ser atendidos primeiro, depois as demais atividades que são importantes para nossos objetivos. Qualidade de vida e bem-estar vêm em sequência e, só então, dedicamos espaço para coisas triviais. “A pandemia trouxe a necessidade de olhar para o que é urgente e importante, mas precisamos buscar fazer isso da maneira mais leve possível, sabendo que não podemos ter o controle de tudo e que algumas coisas poderão sair do eixo devido ao momento”. Para isso, ela propõe questionamentos: quais atividades serão aquelas que receberão nossa maior atenção? Em quais áreas da vida devemos atribuir maior foco e energia para impactar outras áreas e auxiliar a passar por este momento desafiador?”

Douglas técnico-administrativo
Douglas Prado é servidor técnico-administrativo da UFG


Autocuidado
Nesse cenário, muitas vezes conseguimos lidar com as responsabilidades, mas e o autocuidado? Normalmente é o primeiro negligenciado durante as crises. Douglas lembra que o ser humano precisa ser analisado em sua totalidade: “Nossas ações se manifestam em diversos aspectos, como, por exemplo, a carreira, os estudos, os relacionamentos, a espiritualidade e a qualidade de vida. Em meio à desorganização, muitos acreditam que para alcançar mais resultados nos estudos ou trabalho precisam de todo o tempo disponível nas suas vidas, negligenciando, assim, as demais áreas. O que desconsideram é que, ao se esquecerem de si, as demais áreas de suas vidas serão impactadas negativamente. Ao cuidarmos bem do nosso corpo e mente, teremos à nossa disposição mais energia e motivação para realizar aquelas atividades que tanto desejamos”.

Laize lembra que muitas vezes nos acostumamos a ser remediativos com questões da vida e do trabalho, ao invés de preventivos, por isso deixamos o cuidar de nós mesmos para outra hora: “Temos dificuldades por querer enxergar resultados imediatos no autocuidado. Se não vejo um ganho expressivo em dedicar tempo ao meu bem-estar, então, deixo para depois. É uma forma também de dizer que não estamos em nossa própria lista de prioridades.”

Multitarefas?

Existem certas atividades que são possíveis fazer ao mesmo tempo. Laíze lembra que podemos fazer uma caminhada e ouvir um áudio-livro, por exemplo. O problema surge quando nos comprometemos em duas ou mais atividades que exigem níveis consideráveis de concentração. Nesse caso, ser multitarefa causa o efeito contrário, uma vez que a cada pausa feita entre uma atividade e outra, dificilmente retornamos ao mesmo estado de atenção. “Se você está escrevendo um e-mail e começa fazer outra coisa junto, provavelmente irá voltar um parágrafo ou mais no momento de retomar o seu texto. Quantos minutos perdemos ao longo do dia, cada vez que repetimos isso?”, exemplifica Laize.
Apesar de muitas pessoas acreditarem que conseguem lidar com várias atividades ao mesmo tempo, Douglas lembra que, em relação à produtividade e resultados práticos, isto é um erro: “ao ampliar sua atenção em vários pontos você não conseguirá se conectar profundamente com nenhum deles. Imagine uma pessoa que, durante a aula on-line está respondendo mensagens no Whatsapp, verificando constantemente redes sociais e cuidando do seu irmão mais novo. Ou uma pessoa que está fazendo uma resenha crítica de um livro ou artigo científico enquanto resolve um problema de comunicação via Whatsapp. Nos dois casos citados, o tempo para realização de cada atividade será mais demorado e a qualidade, prejudicada”, afirma. Sua sugestão é: concentre-se naquilo que está fazendo agora e alcance mais qualidade em menos tempo.

Laize destaca a importância em organizar suas prioridades: “é importante para que você tenha tempo pra fazer o que mais gosta, o que é mais importante pra você. Pode ser cuidar da saúde enquanto a tem; pode ser estar com sua família e amigos; pode ser estudar aquela disciplina que é um desafio no caminho do diploma; pode ser também, ter um bom rendimento no trabalho. O que cada um de nós gostaria de fazer hoje, mas que não faz por falta de tempo? Acredito que trazer perguntas assim, pode nos ajudar a encontrar as motivações corretas”.

 

Laize
Laize Vieira é servidora técnico-administrativa da UFG

Maternidade na pandemia

Laize destaca que manter o foco no trabalho e, ao mesmo tempo, atender as crianças é um tipo de atividade praticamente impossível de ser feita ao mesmo tempo, uma vez que as duas exigem atenção e concentração. “Além da energia dedicada a estimular os filhos a manterem o interesse pelos estudos on-line, por exemplo, muitas mães também estão estudando o conteúdo dos filhos para auxiliá-los melhor. Uma sugestão de Laize, quando a configuração familiar permitir, é a organização da rotina da família, para que os pais possam fazer revezamentos neste acompanhamento, dividindo as responsabilidades, de forma que haja espaço reservado para trabalho e aulas on-line. “Outro aspecto importante também, é comunicar essa dificuldade para sua equipe de trabalho e gestão; com uma rotina familiar mais organizada e distribuída, a mãe pode informar os horários em que estará mais disponível para as demandas do trabalho. Neste momento, organizar essa rotina da casa, envolvendo a prioridade do trabalho, do estudo dos filhos e, muitas vezes, até o rodízio de espaço físico em casa para essas tarefas, é algo fundamental e, por isso, pais e filhos devem dialogar e criar isso juntos”. Ela ainda completa: “Vejo também uma oportunidade ímpar para o mundo do trabalho enxergar a mãe por trás da colaboradora, contribuindo para ambientes profissionais mais humanizados”.

 

tempo

Dicas:

1) Tenha foco e faça planejamento
Ter foco é saber onde você quer chegar. Quando você tem um foco definido, consegue exercer seu poder de escolha, optar por fazer aquilo que têm relevância para você, e fazendo isso você será mais produtivo.
2) Organize o espaço e a rotina
Organizar um espaço de trabalho é importante, mas organizar a rotina também. Para isso você pode utilizar métodos, técnicas e ferramentas de produtividade. Mas elas precisam fazer sentido para você e para sua realidade.
3) Identifique prioridades e elimine distrações
Uma boa dica é fazer uma lista dessas duas coisas e a partir disso, organizar a agenda com este foco, um dia de cada vez, já que estamos falando também de construção de hábitos e essa habilidade exige disciplina constante, para que comportamentos novos sejam estabelecidos.
4) Lembre-se de praticar o autocuidado
Quando dedicamos tempo para o autocuidado fazendo exercícios, cuidando de nossa saúde mental, dedicando tempo à família, também podemos tornar nosso trabalho mais produtivo.
5) Pense em mudanças
Não é porque sempre fez assim que precisa, necessariamente, continuar fazendo da mesma maneira. Talvez seja um bom momento de reavaliar formatos e métodos e reinventar rotinas que, mesmo depois deste momento, possam trazer qualidade de vida e do trabalho.

planner

Fonte: Secom UFG

Categorias: NOTÍCIAS