Reino Unido
teste_protetor_facial-HC.jpeg

UFG já produziu quase 25 mil protetores faciais

Em 03/08/20 15:07. Atualizada em 16/09/20 10:34.

Projeto da PRPI e instituições parceiras colabora com o enfrentamento da Covid-19 e beneficia dezenas das instituições de saúde

Texto: Caroline Pires (Secom/UFG) e Márcia Araújo (PRPI/UFG)

 

Com quase 5 meses de trabalho, a Pró-reitoria de Pesquisa e Inovação (PRPI/UFG) comemora os quase 25 mil protetores faciais produzidos no âmbito do projeto “Desenvolvimento, produção e distribuição de protetores faciais no enfrentamento da Covid-19”, coordenado pela rede IPElab. Os equipamentos de proteção individual são entregues para as instituições de saúde que estão na linha de frente de ação contra a pandemia em Goiás. Além da colaboração recebida pelo trabalho de voluntários e doadores de insumos, o sucesso do projeto é possível graças à parceria inicial com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), com o apoio da Fundação de Apoio à Pesquisa (Funape) e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg), que viabilizaram a implantação da rede.
O pró-reitor de Pesquisa e Inovação da UFG, Jesiel Carvalho, reforça que o projeto vai ao encontro da busca da PRPI em cumprir o seu papel institucional e compromisso social de apoio a ações que combatam o avanço da Covid-19 de maneira direta ou indireta. “O papel desempenhado pela rede IPElab na produção de protetores faciais foi de uma importância crucial, especialmente em um momento em que o mercado não tinha protetores faciais para fornecer para as unidades hospitalares”, explicou. Ainda segundo ele, a união entre os parceiros é de fundamental importância. “Foi formada uma rede de pessoas e de laboratórios, da UFG e de outras instituições, e também de empresas e de outras entidades que se mobilizou em torno da fabricação desses EPIs”, considerou.

 producao protetores_02.jpg

A produção contou com a participação de voluntários 


O projeto realiza a produção de dois tipos de protetores faciais, um que utiliza impressoras 3D e outro que é feito totalmente em máquinas de corte a laser. Segundo o coordenador da rede IPElab, prof. Pedro Henrique Gonçalves, a produção desses suportes conta com a apoio de colaboradores de várias instituições e também de pessoas físicas que têm esses equipamentos em casa. “Após produzidos, o IPElab faz todo o processo de acabamento e higienização e em troca o laboratório devolve ao colaborador o material que foi utilizado por eles na produção. O IPElab disponibiliza 13 impressoras 3D, mas se somados os parceiros, contamos com mais de 40 equipamentos à disposição para o projeto”, explicou. Contudo, ele lembra que enquanto a produção na impressora 3D leva em torno de 1 hora para ser concluído, em máquinas de corte a laser processo em máquinas de corte a laser leva de 2 a 3 minutos.
O IPElab continua recebendo doações, pois o projeto vai permanecer enquanto houver demanda pelos equipamentos. Mais informações pelo e-mail ipelab@ufg.br e o telefone (62) 3521-2622.

Parceiros
A marca de equipamento produzidos é resultado da parceria entre a Universidade e vários segmentos da sociedade. O projeto conta com um grupo de apoiadores que inclui empresas, a comunidade acadêmica da UFG (laboratórios, servidores, órgãos), outras instituições de ensino e pesquisa, além de pessoas físicas da sociedade goianiense, que contribuíram com a doação de material ou recursos financeiros, com o envolvimento na fabricação dos protetores faciais, empréstimo de equipamentos, entre outros. Conheça todos os apoiadores do projeto.
O professor Pedro Henrique Gonçalves lembra que o projeto conta com voluntários tanto na frente de produção, quanto na busca por recursos e na montagem dos EPIs. “Este apoio é fundamental pois abarca todo o processo que viabiliza a produção dos protetores faciais”, reforçou. Neste processo, o diretor do Parque Tecnológico Samambaia da UFG, Luizmar Adriano Junior, complementa que o Centro Regional para o Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (CRTI), por exemplo, disponibilizou insumos, equipamentos e boa parte da sua equipe técnica. “No início, as doações recebidas da sociedade foram cruciais para alcançarmos números expressivos na fabricação”, considerou. Ele lembra que, além do Sebrae, Fapeg e Funape, que já eram parceiros desde o início da implantação dos laboratórios IPElab, foi fundamental a articulação do Instituto Federal de Goiás com o Rotary Internacional, assim como a intermediação do Senai junto à Associação Brasileira da Indústria de Ferramentais (Abinfer), entre outros.

Projeto em números
A produção de 24.420 unidades ocorreu graças ao projeto “Desenvolvimento, produção e distribuição de protetores faciais no enfrentamento da Covid-19”, coordenado pelo IPElab que também desenvolveu o modelo do protetor. Destes, 11.620 protetores foram produzidos nas instalações do IPElab, com a parceria do Rotary International. Outros 2.800 protetores faciais foram produzidos nas instalações da Cicopal e 10.000 foram produzidos nas instalações do Senai, com modelagem e parte do material fornecidas pelo IPElab e apoio da Abinfer.

Rede IPElab 

11620

Cicopal

2800

Senai 

10000

TOTAL

24420


Instituições beneficiadas
A prioridade do projeto é a doação de protetores faciais para as instituições de saúde que estão na linha de frente do enfrentamento da Covid-19. Até o momento, foram entregues protetores a instituições da rede federal de saúde, como o Hospital das Clínicas UFG; da rede estadual, como o Hospital de Campanha, Hospital Estadual de Urgências da Região Noroeste de Goiânia (Hugol), Hospital Alberto Rassi (HGG), Hospital Estadual de Urgências de Goiânia (Hugo), Hospital de Doenças Tropicais (HDT), Hospital de Urgências de Aparecida de Goiânia (Huapa), Hospital de Urgências de Trindade (Hutrin) e Materno Infantil; e da rede municipal de Goiânia, como Maternidade Oeste, e diversas unidades de atenção básica à saúde nas diferentes regiões da capital, como CAIS da Vila Nova, Amendoeiras e Novo Mundo, Centro de Atenção Psicossocial Girassol, Posto de Saúde Vale dos Sonhos e Gerência de Saúde Bucal.
Em Aparecida de Goiânia, foram atendidas a Unidade Básica de Saúde Jardins Florença e a Unidade de Pronto Atendimento Cairo Louzada. Também foram entregues protetores faciais para os municípios de Cidade de Goiás, Gameleira, Cocalzinho, Caldas Novas e Santo Antônio de Goiás. Instituições conveniadas com o SUS, como Hospital Araújo Jorge e Santa Casa de Misericórdia, também receberam protetores, além de outras entidades como Corpo de Bombeiros Militar, Serviço Odontológico da Polícia Militar, Companhia Saneamento de Goiás (Saneago), penitenciárias do Estado de Goiás, Ministério da Agricultura e Promotoria do Estado de Goiás. Também foram enviadas unidades para as aldeias dos Tapirapé, que se autodenominam Apyãwa, e habitam a Terra Indígena Urubu Branco, no Estado de Mato Grosso, município de Confresa.

teste_protetor_facial-HC.jpeg

Hospital das Clínicas (Ebserh-UFG) foi uma das instituições beneficiadas

Fonte: Secom e PRPI

Categorias: notícias PRPI