laboratório ufg

UFG aprova quatro projetos no edital CNPq de enfrentamento da Covid-19

Em 23/07/20 18:18. Atualizada em 24/07/20 15:36.

Projetos vão receber conjuntamente mais de 3 milhões de reais em recursos para pesquisa

Texto: Kharen Stecca

A Universidade Federal de Goiás teve quatro projetos aprovados pelo CNPq (Chamada MCTIC/CNPq/FNDCT/MS/SCTIE/Decit Nº 07/2020) de pesquisas para enfrentamento da COVID-19, suas consequências e outras síndromes respiratórias agudas graves. Conjuntamente serão destinados mais de 3 milhões de reais para execução dos quatro projetos. Nesta chamada apenas a Universidade de São Paulo teve mais projetos aprovados que a UFG e a Universidade de Brasília teve o mesmo número de projetos aprovados, um resultado de relevância para a UFG. Além disso, três projetos são coordenados por mulheres.

Os projetos aprovados são coordenados pelas professoras Ana Paula Kipnis (Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública- IPTSP), Cristiana Toscano (IPTSP), Gabriela Duarte (Instituto de Química-IQ) e o professor Marcos André de Matos (Faculdade de Enfermagem-FEN).

Confira detalhes dos projetos aprovados:

Ana Paula Kipnis IPTSP

Coordenador: Ana Paula Kipnis (IPTSP): 

Projeto: Revacinação com BCG de profissionais da saúde atuando na pandemia de COVID-19, estratégia preventiva para melhorar resposta imune inata. 

Recurso: R$ 1,241 milhão

Duração do projeto: 2 anos

Resumo: Os profissionais da área de saúde (PS) estão expostos a infecção por COVID-19 mesmo usando equipamentos de proteção individual. A vacina BCG, utilizada largamente no Brasil em recém-nascidos induz proteção adjuvante para diversas doenças dentre elas as virais da infância. A BCG ativa monócitos e NK de memória inata que são células cruciais na resposta imune antiviral. Logo, estratégias que possam prevenir o adoecimento por COVID-19 dos PS devem ser realizadas para que não adoeçam ou sejam hospitalizados. A hipótese é que a BCG irá melhorar a resposta imune inata e evitar a infecção sintomática ou o agravamento da infecção por COVID-19. O objetivo é verificar a efetividade da vacina BCG para evitar ou reduzir a infecção por COVID-19 ou o agravamento da doença durante a pandemia e ainda estimar a incidência de COVID-19 entre os profissionais da área da saúde. Desenho do estudo: Ensaio clínico aberto randomizado. O estudo será feito com profissionais de saúde com contato direto com pacientes suspeitos de COVID-19 seja nos leitos hospitalares, CTI, ou no transporte e admissão (maqueiros, enfermeiras, médicos, fisioterapeutas, nutricionistas, etc) que tenham prova tuberculina e TB Gold Test negativos.

Profissionais de saúde que queiram participar da pesquisa podem acessar aqui mais informações. 

Gabriela Duarte IQ

Coordenadora: Gabriela Duarte (IQ)

Projeto: Desenvolvimento de testes moleculares rápidos e de baixo custo baseados em LAMP para diagnóstico da COVID-19 no point-of-care. 

Recurso: R$ 322.340,00

Duração da pesquisa: 2 anos

Resumo: O objetivo do projeto é o desenvolvimento de kits inovadores para testes moleculares rápidos baseados em reação LAMP que proporcionarão ferramentas para uma análise mais rápida e acurada dos resultados, contribuindo para um adequado e melhor direcionamento no atendimento e tratamento do paciente com COVID-19.  Os testes que serão desenvolvidos neste projeto têm grande potencial para aplicações no point-of-care. Adicionalmente aos testes diagnósticos em pacientes, a metodologia desenvolvida neste projeto será aplicada também para monitorar amostras ambientais, tais como matrizes aquosas contaminadas com o vírus SARS-CoV-2, visto que os vírus têm potencial para sobreviver e permanecer infeccioso por longos dias em água e esgoto.

Cristiana Toscano IPTSP

Coordenadora: Cristiana Toscano (Iptsp)

Projeto: Modelagem da dinâmica de transmissão do SARS-CoV-2 no Brasil: Ciência em tempo real para subsidiar gestores na tomada de decisão baseada em evidências

Recurso: R$ 956.280,00 

Duração da pesquisa: 2 anos

Resumo: O objetivo geral do projeto é por meio de uma rede de pesquisadores trabalhando com modelos epidemiológicos de transmissão de doenças, simular e projetar a transmissão do novo coronavírus (SARS-CoV-2) na população em diversos estados do país, considerando diferentes tipos de modelos e cenários alternativos ao longo do tempo, a fim de subsidiar gestores de saúde para a tomada de decisão baseada em evidências. 

Serão desenvolvidos e aplicados modelos compartimentais clássicos da classe SIR, modelo de simulação baseado no indivíduo (Agent based model ou ABM), e modelo metapopulacional, para avaliar a expansão da Covid-19 e os impactos estimados no sistema de saúde, em UFs selecionadas e no Brasil como um todo. As projeções serão realizadas em diversos momentos ao longo do tempo, considerando as particularidades de cada local quanto às caracterizações epidemiológicas e implementação de prevenção e controle, incluindo medidas não farmacológicas, assim como, quando disponíveis, vacinas contra COVID-19. A implementação das diferentes medidas não-farmacológicas de distanciamento social adotadas pelas unidades federativas do Brasil, considerando o momento, rigidez e duração das mesmas serão mapeadas, assim como as flexibilizações das mesmas ao longo do tempo e por localidade. As modelagens serão realizadas considerando diversos cenários alternativos, considerando grupos etários, setores da economia, entre outras possíveis categorias. Considerando uma gama ampla de modelos de diferentes complexidades, considerando sua estrutura e dados  epidemiológicos requeridos para sua parametrização, o desenvolvimento de modelos complementares e sua aplicação por uma rede de pesquisadores atuando em modelagem e com contato próximo aos gestores de saúde será fundamental para as apoiar e subsidiar a tomadas de decisão em saúde no país no enfrentamento à pandemia da COVID-19. A pesquisa será coordenada pela UFG, e será realizada em parceria com grupos de pesquisa em modelagem da UFRGS, UNESP, UnB e contará também com a colaboração de pesquisadores da Universidade de Yale e Harvard/EUA e UMIT/Áustria.

Marcos André  Fen

Coordenador: Marcos André de Matos (FEN)

Projeto: Ensaio clínico randomizado para avaliar a efetividade da aplicação de um conjunto de intervenções não farmacológicas para COVID-19 em indivíduos privados de liberdade e agentes de segurança prisional

Recurso: R$ 503.732,00

Duração da pesquisa: 2 anos

Resumo: No enfrentamento da Covid-19, intervenções não farmacológicas (INF) com alcance individual, ambiental e comunitário tem se mostrado extremamente efetivas, embora representem um grande desafio mundial, em especial para grupos populacionais vulneráveis como os Indivíduos Privados de liberdade (IPL) e Agentes de Segurança Prisional (ASP). Assim, a presente investigação tem como objetivo geral avaliar a efetividade de intervenções não farmacológicas da Covid-19 em indivíduos privados de liberdade e agentes de segurança prisional do estado de Goiás. O projeto objetiva estimar a prevalência do SARS-CoV-2 e fatores preditores nos dois grupos em estudo; comparar a efetividade e fatores influenciadores de um conjunto de intervenções não farmacológicas entre os indivíduos que participaram e os que não participaram das mesmas; identificar o conhecimento, prática e atitude acerca da Covid-19, e por fim, verificar a percepção dos IPL e ASP acerca das INF da Covid-19. Trata-se de um estudo misto com delineamento ensaio clínico controlado randomizado e de abordagem quantiqualitativa a ser conduzido em 5 Unidades Prisionais, a partir de um estudo matrix intitulado "Inquérito Epidemiológico das condições de saúde dos indivíduos privados de liberdade e trabalhadores do Sistema Prisional do Estado de Goiás: um estudo multicêntrico também com fomento do CnPq (Universal 01/2016 - Faixa A) e da FAPEG (edital 3/2015)".

Fonte: Secom UFG

Categorias: Notícias Coronavírus IPTSP IQ FEN