Weby shortcut
Bandeira Reino Unido
Youtube da UFG
Instagram da UFG
Picasa da UFG
Radio universitária
TV UFG
Evento biocombustíveis capa

Um futuro sustentável passa pelos biocombustíveis

Por Luiz Felipe Fernandes Neves. Criada em 16/10/18 20:34. Atualizada em 19/10/18 08:43.

Alternativas renováveis para a geração de energia foram discutidas em evento sobre o programa RenovaBio, dentro do 15º Conpeex

Texto: Luiz Felipe Fernandes

Fotos: Adriano Justiniano

Entre prognósticos de um futuro inviável para a sobrevivência humana e de alternativas sustentáveis e economicamente acessíveis de geração de energia, especialistas, estudantes, representantes do poder público e do setor privado discutiram nesta terça-feira (16/10) a política nacional de biocombustíveis, com foco no programa RenovaBio. O evento, realizado no Teatro Asklepiós, da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Goiás (FM/UFG), integrou a programação do 15º Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão (Conpeex).

O RenovaBio é um programa do governo, aprovado em 2017, que tem como objetivo o cumprimento das metas de descarbonização firmadas pelo Brasil no Acordo de Paris. Ele pretende incentivar o desenvolvimento e a inovação do setor dos biocombustíveis a partir de uma política de longo prazo que valorize os combustíveis mais eficientes em termos de redução das emissões.

Evento biocombustíveis

Discussões envolveram pesquisadores, estudantes e representantes do poder público e do setor privado

O primeiro painel do evento reuniu pesquisadores que abordaram o cenário dos biocombustíveis em diferentes aspectos. O diretor do Departamento de Biocombustíveis da Secretaria de Petróleo e Gás do Ministério de Minas e Energia (MME), Miguel Ivan de Oliveira, apresentou os problemas provenientes da emissão de gás carbônico na atmosfera. "Se parássemos hoje de cortar qualquer árvore e de usar petróleo, só em 600 anos conseguiríamos ter os mesmos níveis de gás carbônico de 1923", revelou.

A solução, segundo o diretor, é produzir energia e absorver esse gás poluente, o que é possível com os biocombustíveis. Um dos entraves é o mercado do petróleo, que pratica preços mais competitivos e torna a produção de etanol, por exemplo, pouco competitiva. "O futuro são os biocombustíveis. O carro, no futuro, será movido a combustível produzido pela biomassa, que tira gás carbônico e transforma em energia, tratando lixos e resíduos orgânicos. Para o Brasil, isso é essencial".

O coordenador do Núcleo de Pesquisa e Extensão em Tecnologias de Processos Sustentáveis do Instituto Federal de Goiás (IFG), Joachim Werner, apresentou as potencialidades do biogás, com exemplos de reatores instalados e em funcionamento no mundo e no Brasil, incluindo Goiás. O biogás é produzido por micro-organismos por meio da decomposição da matéria orgânica, como esterco, lodo dos esgotos, resíduos domésticos e efluentes industriais.

Evento biocombustíveis

Professor do Instituto de Química da UFG, Nelson Antoniosi apresentou pesquisas desenvolvidas na Universidade

Importância da ciência

A UFG possui pesquisas relacionadas à produção de biocombustíveis. No evento, o professor do Instituto de Química e coordenador da Rede Brasileira de Tecnologia de Biodiesel do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Nelson Antoniosi, apresentou os avanços científicos obtidos na instituição. Um deles é a produção de biodiesel a partir de microalgas, com capacidade de produção maior que a da soja. O resultado também foi obtido a partir da borra de café, que também demonstrou ter propriedades de filtragem da água.

"Goiás é um dos grandes produtores de bioenergia do país, e o RenovaBio tende a impulsionar esse setor. Esperamos que muito em breve o Estado seja muito mais rico do que é. Mas não adianta só Goiás enriquecer. Um programa de energia e de desenvolvimento econômico precisa de distribuição de renda", afirmou.

Já o superintendente da União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene, Donizete Tokarski, falou sobre a expectativa de utilização desses combustíveis em relação ao diesel fóssil. Atualmente, 44% da matriz veicular usa o tipo fóssil, enquanto apenas 3,7% são movidos a biodiesel. Existe, portanto, uma janela de oportunidade para o combustível limpo, mas que, segundo o superintendente, depende de vontade política. "Seria possível, por exemplo, aumentar a mistura de biodiesel na frota dos ônibus do transporte coletivo", comentou.

O painel foi finalizado com a participação do coordenador-geral de Desenvolvimento e Inovação em Tecnologias Setoriais do MCTIC, Rafael Silva Menezes.

Acesse aqui as apresentações dos palestrantes.

Evento biocombustíveis

Ao abordar o biodiesel, Donizete Tokarski ressaltou que falta vontade política para a adoção de biocombustíveis

Diálogo

Na abertura do evento, a coordenadora do Núcleo de Estudos Globais da UFG, Laís Forti Thomaz, destacou a importância do diálogo entre a academia, o setor privado e a sociedade. Ela considerou o RenovaBio uma política de Estado que atende demandas antigas do setor. "Temos muito o que aprender e entender como o governo a concebeu e os desafios relacionados à regulamentação e à implantação dessa política".

O reitor da UFG, Edward Madureira Brasil, ressaltou a envergadura nacional do evento, dada a importância de seus participantes. "Esse tema é vital não só para a economia goiana ou do Brasil, mas também para o futuro da nossa existência", atestou. Para o reitor, o Estado deve estar presente em questões estratégicas relacionadas à ciência e à tecnologia, que também devem ser incorporadas pelo setor privado como possibilidade de investimento, com perspectiva real de resultados e com responsabilidade e sustentabilidade.

Fonte : Secom/UFG

Categorias : Notícias CONPEEX RenovaBio

Listar Todas Voltar