Capa_evento_IF0407

Mesa-redonda sobre depressão e ansiedade lota auditório do IF

Em 04/07/18 17:06. Atualizada em 05/07/18 13:43.

Mais recente edição do Programa Café com Ciência abordou a saúde mental do universitário e deu orientações sobre como evitar e tratar esses transtornos

Foto: Carlos Siqueira

Um auditório lotado esperava pela realização da mesa redonda Vida acadêmica, depressão e ansiedade realizada pelo projeto Café com Ciência, pelo Instituto de Física, nesta quarta-feira (04/07). O evento contou com a participação de servidores da área de saúde mental do Subsistema Integrado de Atenção à Saúde do Servidor (Siass) e do Programa Saudavelmente, da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (Prae).

A mesa diretora foi composta pela psicóloga do Saudavelmente Viviane Ferro da Silva Sousa, o psicólogo, Robert Veras Pedrosa, e a psiquiatra Susy Alfaia, ambos do Siass. Durante as exposições dos especialistas, foram apresentados conceitos sobre o que é ansiedade e quando ela passa a ser uma preocupação e até mesmo um transtorno de saúde mental, afetando as relações sociais e o desempenho acadêmico ou profissional.   

Vida academica depressao e ansiedade 1 - 600x400 - C. Siqueira

Psiquiatra Susy Alfaia: adotar bons hábitos de vida no cotidiano ajuda a evitar a ansiedade

A psiquiatra observou que o tratamento nos casos de ansiedade e ou depressão são individualizados, uma vez que se manifestam de maneiras diferentes em cada pessoa. Principalmente nos casos em que é necessário usar medicação. “Os antidepressivos de um modo geral, podem ser usados durante um período de tempo maior, enquanto que outras medicações são indicadas apenas para os períodos de crise”, ressalta Alfaia.

A psicóloga Viviane Sousa comentou que o Saudavelmente é um programa de saúde mental voltado a toda comunidade universitária - foi criado há 15 anos - e é composto por uma equipe multidisciplinar. Ela explica que nesse ambiente a pressão e a competição são constantes e tanto para estudantes, quanto para professores e técnicos administrativos.

Processos estressantes

Sousa comenta que há alguns processos na vida estudantil que podem levar o jovem a vivenciar estresse elevado. O primeiro ocorre na fase de transição do ensino médio para o universitário. Quando ocorre uma ruptura muito grande em relação a vida estudantil. Antes havia um acompanhamento mais próximo dos professores e dos pais. Depois, o jovem passa a experimentar uma maior autonomia para gerenciar a vida estudantil. “Em um primeiro momento, toda essa liberdade pode soar atrativa, mas depois, muitos não possuem ainda recursos para lidar com as consequências de suas escolhas. Nessa fase, o jovem também passa a ter um novo perfil de estudante. Muitas vezes era um bom aluno no ensino médio e depois, passa a ter que lidar com notas mais baixas, nota zero e até mesmo reprovação em alguma disciplina”, pontua.

Já na etapa final do curso, existem as pressões para que o curso seja concluído dentro do prazo previsto e preocupações com o ingresso mercado de trabalho e também se é o momento ou não de continuar na vida acadêmica e fazer uma pós-graduação. “Para lidar com todas essas pressões, alguns jovens acabam se privando excessivamente do sono e da convivência com os amigos para estudar. Vão se privando do que é prazeroso e abrindo mão da qualidade de vida. Isso acaba tendo reflexos na saúde mental do indivíduo”, afirma Sousa. A psicóloga ressalta, que as pessoas demoram a perceber que estão precisando de ajuda. Outras vezes, vão negligenciando o auto cuidado e só procuram por profissionais em saúde mental quando já estão bem adoecidas. “É preciso buscar essa ajuda o quanto antes, para evitar um maior comprometimento da saúde e até mesmo o afastamento da vida acadêmica”, conclui.

Susy Alfaia listou cinco ações simples, para serem adotadas no cotidiano, que podem ajudar a evitar a ansiedade: ter um hobby, uma atividade prazerosa; ser organizado; conversar com alguém querido; dormir bem; e cuidar da alimentação.

O Café com Ciência é uma promoção do Programa de Pós-Graduação do Instituto de Física (IF) e da Comissão Interna de Saúde do Servidor Público da unidade (Cissp/IF).




Fonte: Secom UFG

Categorias: Última Hora SIASS saudavelmente IF Café com Ciência UFG