Weby shortcut
Reino Unido
A mesa de debate estava carregada de pluralidades

Mesa redonda aborda inclusão e acessibilidade na UFG

Criada em 26/02/18 17:48. Atualizada em 26/02/18 18:09.

Os convidados fizeram um balanço sobre as políticas de ações afirmativas na instituição 

Texto: Letícia Rocha

Fotos: Amanda de Oliveira

O grupo Transdisciplinar de Estudos Interculturais da Linguagem (Obiah), da Universidade Federal de Goiás (UFG), organizou uma mesa para a abertura do semestre letivo 2018/1. O evento ocorreu no Mini auditório Egídio Turchi, da Faculdade de Letras, na última sexta-feira (23/2), e trouxe a seguinte questão: "O que pensamos e o que esperamos na UFG? Repensando, então, a universidade pública frente aos conflitos sociais atuais". 

O evento foi dividido em duas mesas redondas carregadas de pluralidades. Participaram da primeira mesa: a graduada Talita Serafim Azevedo, que é deficiente visual; o estudante Leonardo Ferreira que é deficiente auditivo; a doutoranda indígena Mirna Anaquiri Kambeba Omágua; a mestranda quilombola Marta Quintiliano e a professora Intercultural do Núcleo Takinahaky Suety Líbia. 

A graduada em Letras/Português, Talita Serafim, que é deficiente visual, foi quem abriu a discussão e contou sobre sua trajetória de superação e inclusão. Revelou que no início da graduação passou por muitas dificuldades, pois o material de estudo não era adaptado a sua deficiência. Segundo a estudante, "Braille é muito importante quanto ao nível de concentração", tendo em vista que na falta do material, era necessário que ditassem o texto para que ela ouvisse. 

Talita fala sobre a importância da inclusão de todos os alunos com algum tipo de singularidade

Talita Serafim, deficiente visual, lembra de quando não tinha acesso a materiais adequados

 A doutoranda em Arte e Cultura Visual, Mirna Anaquiri, destacou que as portas da universidade pública devem estar sempre abertas, para toda a população, mas que infelizmente trata-se de um ambiente cheio de privilégios. Completou instigando as pessoas a levar as discussões que ocorrem dentro do ambiente acadêmico para além da UFG.

Mirna destaca que a universidade pública tem de sempre manter as portas abertas.

Mirna Anaquiri destacou a importância de a universidade pública manter sempre suas portas abertas

Segundo os convidados da mesa, desde de 2008, que foi quando a UFG aderiu ao sistema de cotas, através do UFG Inclui, a inserção de fato começou a ocorrer. No entanto, como destacado por todos os componentes da mesa, ainda há muito o que melhorar. Os questionamentos têm de ocorrer, "mas não devem permanecer apenas dentro do ambiente acadêmico, eles precisam alcançar à toda população", como disse a doutoranda Mirna Anaquiri. 

A segunda mesa contou com a participação da Coordenadora de Inclusão e Permanência, Suzane Vieira; a mestranda em Musicologia Antonilde Rosa, a doutoranda em Geografia Marisa Fernandes e a estudante Rafaela Lincoln Lima.  

Esta mesa foi pautada pela discussão sobre como mobilizar os vários grupos que atuam por diferentes causas na universidade. A ideia é estabelecer uma agenda de atuação em defesa dos direitos perdidos no atual contexto político. Um dos principais temas foi o Programa UFGInclui, que está completando 10 anos e vai passar por uma avaliação institucional. 

Fonte: Ascom/UFG

Categorias: Última Hora