Weby shortcut
Bandeira Reino Unido
Youtube da UFG
Instagram da UFG
Picasa da UFG
Radio universitária
TV UFG
Agronegócio

Há pouco de brasileiro no agronegócio feito no Brasil

Por Angélica Queiroz. Criada em 03/08/17 09:31. Atualizada em 03/08/17 09:40.

Maior desafio do setor, de acordo com os estudos, é aumentar a participação do capital nacional no agronegócio feito no país

Agronegócio

Texto: Luiz Felipe Fernandes

Foto: Carlos Siqueira

A agropecuária brasileira tem apresentado produtividade crescente, safras recordes e contribuições estruturais para a balança comercial do país. Por isso, existe grande esforço nacional para a superação de desafios enfrentados pelo setor que vão dos impactos da operação Carne Fraca à redução do Custo Brasil.

No entanto, o setor enfrenta um desafio estrutural que tem sido negligenciado. Trata-se da pequena participação do capital brasileiro no agronegócio feito no Brasil. A base tecnológica da agricultura e a gestão do negócio feito no país pertencem essencialmente a empresas multinacionais e rendem dividendos essencialmente a elas.

Considerando a importância do agronegócio para o país, pesquisadores da Universidade Federal de Goiás (UFG) estudam a participação do capital nacional no agronegócio feito no Brasil. O principal objetivo é identificar as oportunidades e os desafios para a ampliação da participação de grupos nacionais. A primeira parte do estudo se concentrou na cadeia produtiva da soja.

Os resultados do estudo revelam que 40% do negócio da soja no Brasil são, de fato, brasileiros e concentrados na terra (13,3%), na mão de obra (14,3%) e nos recursos naturais (estes não contabilizados financeiramente). Apenas 12,4% da participação das empresas brasileiras estão nos setores mais intensivos em tecnologia e capital como produção de sementes (2,4%), fertilizantes (4,8%), defensivos (0,6%), máquinas (0,3%) e agroindústria (4,4%). Esses resultados levantam a dúvida se existiria no Brasil algo que pudesse ser chamado de agronegócio brasileiro.

Como ser protagonista?
O avanço da produção agropecuária no país oferece espaços que podem ser melhor ocupados por empresas nacionais. Oportunidades foram identificadas ao longo de toda a cadeia produtiva da soja, por exemplo. O futuro do agronegócio brasileiro passa pela construção de uma estratégia de integração vertical do capital nacional ao longo da cadeia produtiva, indo além da visão atual que tem ficado restrita à expansão horizontal para novas fronteiras agrícolas pela redução do Custo Brasil. Essa visão é apresentada nos estudos da UFG intitulados “Curbing enthusiasm for Brazilian agribusiness” (Revendo o entusiasmo pelo agronegócio brasileiro, em tradução livre), publicado este mês na revista Applied Geography, e “Participação do capital brasileiro na cadeia produtiva da soja: lições para o futuro do agronegócio nacional”, publicado na Revista de Economia e Agronegócio.

Outro caminho é dar mais atenção para a agricultura brasileira de fato. Talvez o melhor exemplo de setor relegado ao segundo plano e com potencial subaproveitado seja a agricultura familiar. Dos 4,3 milhões de agricultores familiares brasileiros, apenas 13% têm acesso ao crédito Pronaf para investir na produção, conforme aponta estudo da UFG intitulado “Development conditions for family farming: lessons from Brazil” (Condições de desenvolvimento para a agricultura familiar: lições do Brasil, em tradução livre), publicado na revista World Development.

Fonte : Ascom UFG

Categorias : Releases Última Hora

Listar Todas Voltar