Weby shortcut
Bandeira Reino Unido
Youtube da UFG
Instagram da UFG
Picasa da UFG
Radio universitária
TV UFG
Dispositivo

UFG desenvolve nova técnica que agiliza investigação forense

Por Angélica Queiroz. Criada em 19/07/17 11:41. Atualizada em 20/07/17 10:17.

Pesquisadores criaram sensor portátil para identificar o tempo de morte de cadáveres

Texto: Luciana Gomides

Descobrir o tempo de morte de um cadáver pode ser a chave para solucionar diversos crimes, mas nem sempre o diagnóstico é fácil, podendo exigir do perito criminal o uso de equipamentos dispendiosos e de difícil transporte. Estudos da Universidade Federal de Goiás (UFG) podem deixar esse trabalho mais fácil. Pesquisadores desenvolveram  sensores descartáveis para estimar o intervalo decorrido entre a morte do indivíduo e o exame cadavérico. O diagnóstico é feito a partir de uma substância encontrada no olho humano e já pode ser realizado na cena do crime.

O dispositivo miniaturizado, portátil, fabricado em folha de papel e, portanto, descartável, é capaz de dosar os níveis de ferro em amostras de uma substância gelatinosa encontrada entre o cristalino e a retina dos olhos dos cadáveres. Como o intervalo post-mortem (IPM) é diretamente proporcional à concentração de ferro, ao medir a concentração dessa substância no olho, o dispositivo fornece resposta imediata do tempo decorrido do óbito.

O estudo foi desenvolvido no Instituto de Química da UFG, pelo doutorando Paulo de Tarso Garcia, sob a orientação do professor Wendell Coltro, em parceria com o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Bioanalítica e a Universidade Estadual de Campinas. Para medir o nível de ferro encontrado na substância gelatinosa, os pesquisadores desenvolveram processos bioquímicos em função de uma coloração alaranjada, de forma que quanto mais intensa a cor apresentada no sensor, maior é o tempo decorrido do falecimento.

Segundo Wendell Coltro, o grupo criou até mesmo uma escala, similar a um gradiente de cores, que facilita o trabalho dos peritos. “Esses recursos, além de rápidos, simples e de baixo custo, permitem que o dispositivo possa ser utilizado sem necessidade de treinamento técnico”, afirmou.  O professor explica ainda que, atualmente, o grupo está trabalhando em alguns ajustes que permitirão uma resposta precisa para intervalos de postmortem inferior a 24 horas. Eles também estão concluindo o depósito de uma patente e estabelecendo uma parceria com o Instituto Médico Legal da Polícia Civil de Goiás.

Sensor portátil para tempo de morte

Dispositivo avalia concentração de ferro presente no olho e determina tempo de morte

Fonte : Ascom UFG

Categorias : Última Hora Release ciência

Listar Todas Voltar