Weby shortcut
Bandeira Reino Unido
Youtube da UFG
Instagram da UFG
Picasa da UFG
Radio universitária
TV UFG
Agro Centro-Oeste Familiar capa

Confira o que aconteceu na Agro Centro-Oeste Familiar 2017

Por Luciana Gomides. Criada em 09/06/17 16:08. Atualizada em 12/06/17 14:46.

Evento reuniu cooperativas, federações, comunidades e agricultores familiares, proporcionando contato com o público e empresas do ramo

Texto: Luciana Gomides

Fotos: Carlos Siqueira

A agricultura familiar é desenvolvida através da gestão compartilhada pela família, sendo a atividade produtiva a principal fonte geradora de renda. A partir daí, o agricultor possui relacionamento particular com a terra, pois ela é seu lar e, ao mesmo tempo, local de trabalho. Em sua 15ª edição, a Agro Centro-Oeste Familiar 2017 aproximou o produtor do consumidor e empresas do ramo, além de promover a divulgação de estudos científicos, debates e palestras sobre a importância do tema para o país. As atividades da feira se concentraram nas dependências do Centro de Eventos da Universidade Federal de Goiás (UFG), no Campus Samambaia, de 7 a 10 de junho.

Ao longo da programação, o visitante teve acesso minicursos, mesas redondas, oficinas, palestras, workshops e rodas de conversa que abordaram toda uma gama de assuntos inseridos na temática da agricultura familiar, incluindo culinária com frutos do Cerrado, acidentes com animais peçonhentos, manejo sustentável, política agrícola para agricultores familiares, além do acesso aos programas e financiamentos destinados ao Primeiro Setor. O evento também abriu espaço para manifestações culturais, exposições acadêmicas e para a venda da produção oriunda das caravanas convidadas, provenientes de diversos municípios goianos. Dentre elas estavam cooperativas, assentamentos e comunidades quilombolas.

Caravanas
A Associação Quilombola de Professor Jamil – Comunidade Boa Nova, presidida por Luzia Cristina do Carmo, abriga cerca de 100 famílias e, na feira, expôs sua produção de artesanato, com destaque para as tecelagens de macramê (fios tecidos a mão). Líder e militante ativa, Luzia explicou que a associação, criada graças ao incentivo do Pronatec, possibilita que as mulheres quilombolas ganhem sua independência financeira, através da capacitação trazida pelos vários cursos ofertados. Atuando nas melhorias sociais constantes da comunidade, ela contou com orgulho, como conseguiu erradicar a prostituição na região. "Antes as moças ficavam na rodovia que corta a cidade, hoje estão todas em salas de aula".

A 40 km de Professor Jamil e 88 km de Goiânia, o município de Piracanjuba abriga a Associação Quilombola Ana Laura, que também expôs telas, doces e tiaras produzidas pelas mulheres da comunidade. A presidente Lucy Helena Roza contou que a associação foi fundada há quatro anos e comentou a importância da agricultura familiar, além da própria existência da associação para as 150 famílias cadastradas. Famílias estas que, inclusive, recebem apoio de projetos de extensão da Faculdade de Nutrição (Fanut) e Escola de Agronomia (EA). Por meio de cursos de capacitação, reuniões mensais e oficinas, homens, mulheres e jovens tornam-se, também, independentes economicamente.

As cooperativas presentes também votam a favor desse tipo de evento como ferramenta de divulgação da agricultura familiar. A Cooper Agro, de Niquelândia, reúne 180 famílias, incluindo assentamentos da região e, para a feira, levou licores, quitandas e doces de produção própria. Cirino Vicente Ferreira, presidente da cooperativa, disse que a adesão aos itens é tão grande que chegou ao exterior. "Estamos exportando nossos licores para países como Espanha, França e Estados Unidos", comemorou. As atividades da Cooper Agro, no entanto, não se limitam à produção, mas também a cursos de Agroflorestas (consórcios de culturas agrícolas em espécies arbóreas utilizadas para restaurar florestas).

Assentamentos levaram, em massa, seus produtos para a Agro Centro-Oeste, indicando a atividade da agricultura como importante fonte de renda para as famílias. Sediado em Formosa, o Dom Tomaz de Aquino conquistou os visitantes com geleias de pimenta, rapaduras de sabores inusitados, pimentas, conservas, doces e especiarias. Junior, um dos assentados, explicou que a produção partiu da iniciativa das mulheres da comunidade, em face das dificuldades enfrentadas em razão da falta de estrutura do assentamento. Associada à plantação de hortas orgânicas, a venda dos produtos representa a subsistência das famílias. 

Serviços
A difusão do conhecimento foi uma das premissas da Agro Centro-Oeste Familiar. Além das diversas atividades cientificas, palestras e mesas-redondas, o visitante teve acesso à assistência social, máquinas agrícolas, serviços e projetos. Divididos em tendas, os espaços abrigaram produtos úteis ao produtor, bem como aqueles que são fabricados de maneira sustentável. Como exemplo, os itens que têm o bambu como matéria-prima, com destaque para a Ecobike, bicicleta construída com o material, além das mesas de cultivo que utilizam a hidroponia, sistema de plantio caracterizado por substituir a terra por água, com o auxílio do bombeamento por pequenos motores.

No espaço da Fazendinha, o público teve contato com animais típicos do meio rural (vacas, galinhas e patos), grupos de pesquisa das unidades acadêmicas da UFG e projetos apoiados pela prefeitura de Goiânia, como a Horta Escolar – Laboratório a Céu Aberto. Manifestações culturais abriram caminho, representados por apresentações de congadas, Folias de Reis, corais e grupos de dança infantis. Para quem não conhecia, a receita do tradicional empadão goiano foi transmitida de modo diferente, em forma de canção, pelo Coral Canta Criança, da Escola Municipal Pedro Ciríaco de Oliveira.

Fonte : Ascom/UFG

Categorias : Última hora Agro Centro-Oeste Familiar

Listar Todas Voltar