Weby shortcut
Bandeira Reino Unido
Youtube da UFG
Instagram da UFG
Picasa da UFG
Radio universitária
TV UFG
cerveja restos

Resíduos da indústria de cerveja ganham nova destinação

Por Angélica Queiroz. Criada em 17/05/17 14:11.
Estudo da UFG avaliou viabilidade da adição do bagaço do malte em rações para tilápias

Texto: Camila Godoy

Em tempos de crise, pode-se dizer que, pelo menos, um setor tem crescido no Brasil: o da indústria cervejeira. Com 13 bilhões de litros produzidos anualmente, o país já é o terceiro maior produtor desse tipo de bebida, segundo dados da Associação Brasileira da Indústria da Cerveja. No entanto, se o avanço é motivo de comemoração para a economia, para o meio ambiente, os resíduos resultantes desse processo é algo preocupante. Pensando nisso, a Universidade Federal de Goiás (UFG) desenvolveu uma pesquisa que busca novos destinos para esse material. A inclusão na alimentação de peixes tem sido uma boa saída.

O projeto, coordenado pelo professor da Escola de Agronomia, Francielo Vendruscolo, aproveitou, no preparo de rações para tilápias, o principal resíduo sólido do processo de produção de cervejas: o bagaço do malte. Rico em celulose, mas com baixo conteúdo proteico, até então esse material era destinado apenas para a alimentação de ruminantes ou para a compostagem. No entanto, os pesquisadores encontraram uma forma de aumentar o valor nutricional do resíduo ao adicionar micro-organismos com capacidade de converter carboidratos em proteínas com alto valor biológico, semelhantes às da carne e do ovo.

Em seguida, a equipe de estudiosos incorporou o material fermentado a diferentes rações. Elas então foram testadas como alimento para os peixes e os animais foram monitorados quanto ao tamanho, peso, características do sangue, composição da carcaça e gorduras viscerais. Ao final, comprovou-se que a inclusão do bagaço do malte fermentado na ração é viável e que com isso as tilápias mantém normalizados seu crescimento e estrutura.

Projeto

Financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), o projeto de pesquisa foi desenvolvido também em parceria com a Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, campus Ilha Solteira.

Fonte : Ascom UFG

Categorias : Releases Última hora

Listar Todas Voltar