Reino Unido

NDesign – Fashion Revolution

Em 24/07/14 10:09. Atualizada em 21/08/14 11:48.

A palestra trouxe aos participantes uma forma de repensar o uso e o descarte rápido das roupas

O Fashion Revolution é um movimento que surgiu na Inglaterra, onde ativistas que trabalham com moda passaram a questionar o mercado e alertar os consumidores para o processo de feitio das roupas. A partir de então, diversos fatores entraram em pauta, como a exploração do meio ambiente e da mão de obra.

fashion revolution 1

A propagação do movimento alcançou todo o mundo, chegando até o Brasil. Duas ativistas estiveram no NDesign deste ano: a designer de moda formada pela Santa Marcelina, Fernanda Simon, que morou por sete anos na Inglaterra, onde conheceu o movimento mais de perto, e a jornalista Bruna Miranda, que mora em Belo Horizonte e antes de conhecer o Fashion Revolution trabalhou em sites que acompanhavam tendências e chegou até mesmo a trabalhar com Lilian Pacce. As duas se conheceram pela internet e trabalham no mesmo projeto virtualmente.

fashion revolution 2

Ambas discutem no projeto todo o processo que as fast fashions usam para lançar muitas coleções em tempo reduzido. O debate gira em torno de como as peças são feitas, por quais mãos passam e como são desenvolvidas. Um exemplo são as lojas de departamento, que semanalmente trazem grades diferentes de roupas para os consumidores, que, por sua vez, já estão viciados em uma rápida novidade e não se preocupam com o método de fabricação dos produtos.

Apesar de tudo isso, existem profissionais que deixam claro todo o seu processo de fabricação, mostrando para o seu público, com transparência, passo a passo da construção vestuária.

Bruna Miranda e Fernanda Simon contam que para combater o consumismo vicioso, além do Fashion Revolution Day que acontece anualmente no dia 24 de abril, é preciso que as próprias pessoas repensem suas próprias práticas de consumo. Afinal quem fez sua roupa?

fashion revolution 3

Fonte: Ascom UFG

Categorias: última hora Fashion NDesign