infográfico qualificar

Programa Qualificar: mais uma oportunidade na carreira dos servidores da UFG

Em 18/12/20 12:35. Atualizada em 18/12/20 13:11.

Projeto  seleciona TAEs para Programas de Pós-graduação stricto-sensu

Talita Prudente

Sempre em busca de transformar realidades, seja no campo social, científico ou institucional, a UFG aposta em políticas para qualificação e fomento de seus servidores. O programa Qualificar se destaca entre essas ações ao incentivar  o ingresso de Servidores(as) Técnico-Administrativos (as) (TAEs) em cursos de mestrado e doutorado da universidade.

Criado em 2015 pela resolução Consuni nº 21/2015, o Qualificar é uma iniciativa da Pró-Reitoria de Pós-Graduação (PRPG)  junto com a Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas (ProPessoas). O objetivo principal é a ampliação das competências e formação contínua dos TAEs, permitindo não só o desenvolvimento profissional e pessoal dos participantes mas também uma melhoria na qualidade da infraestrutura técnica e administrativa da UFG.

Para participar da seleção, o servidor em exercício  deve portar diploma de graduação ou mestrado e não estar respondendo a processo administrativo disciplinar.  A seleção acontece em duas etapas, com 4 avaliações: exame de suficiência em língua estrangeira, prova oral, análise de projeto de pesquisa e análise e pontuação do currículo. 

“Há uma cultura na universidade que não considera  os técnico-administrativos enquanto possíveis pesquisadores ou seja pessoas capazes de impactar substancialmente a forma e os caminhos do ensino, pesquisa e extensão. Com a iniciativa do programa Qualificar, abre-se uma janela para que percebamos a potência da contribuição que o corpo técnico-administrativo da UFG possui para os objetivos e essência de nossa universidade”, reflete Renato Cirino, técnico em audiovisual da UFG. Graduado em Comunicação Social - Jornalismo e mestre em Arte e Cultura Visual, Renato ingressou no doutorado por meio do Qualificar. 

Atualmente, Cirino  investiga os processos de construção de narrativas cinematográficas por meio de grupos que não participam dos circuitos hegemônicos de realização e produção cinematográfica, com destaque para o “Sistema CooperAÇÃO Amigos do Cinema”, aplicando seus estudos em espaços formais de educação. A pesquisa de Renato  deu origem a diversas produções cinematográficas e, em especial, a realização de 19 filmes inteiramente produzidos por estudantes de uma escola pública estadual exibidos na I MAWM - Mostra Audiovisual do CPMG Waldemar Mundim, disponível no YouTube.

Renato conta que, apesar de trabalhar e servir a sociedade por meio de uma instituição educacional, e, assim, contribuir com a formação de inúmeras pessoas, ele não conseguia se ver enquanto pesquisador. “Por esses motivos, o programa Qualificar não mudou somente a minha vida, mas mudou também a forma como posso contribuir com a sociedade, com maior capacitação e envolvimento. Sem mencionar, é claro, que a comunidade universitária se beneficia com um servidor técnico-administrativo com um grau de formação mais profundo atuando na área de audiovisual, artes e educação”.

Aprovada no processo seletivo de 2019, Julyana Aleixo Fragoso enxerga o Qualificar como um desafio em sua trajetória dentro da universidade e um importante diferencial para a carreira do servidor. Graduada em Design Gráfico, a técnica em artes gráficas trabalha na  UFG desde 2014 e atualmente é mestranda no Programa de Pós-Graduação em Performances Culturais.

“Eu já havia tentado o mestrado fora do Qualificar no início de 2019, para o curso de comunicação e não passei. Vi que não estava preparada durante a prova. Quando saiu o Qualificar em 2019, não tinha vaga para o curso de comunicação, então busquei algo que mais se aproximava no meu perfil. Montei outro projeto, estudei e saí melhor na prova. Desta vez foi para o curso de Performances Culturais. Não estava acreditando muito que iria passar e naquele momento, eu pensava que seria a última tentativa. Acho que o Qualificar incentiva os concursados a encarar a pós-graduação dentro da UFG.”, relata 

Jullyana estuda sobre  Poéticas e Culturas nas Humanidades Digitais com foco nos memes goianos.“Estou feliz por ter passado no mestrado. Confesso que a vida acadêmica é puxada quando conciliada com trabalho, mas claro que também penso na gratificação”, conta.

 

infográfico qualificar

O ingresso do servidor não implica no afastamento automático do cargo para o desenvolvimento de suas atividades acadêmicas no mestrado ou no doutorado. Everton Wirbitzki da Silveira, pró-reitor da ProPessoas ressalta que a UFG é uma instituição diversa e, por isso, praticamente todas as profissões e profissionais que estão na universidade, tanto cargos genéricos quanto profissionais, possuem aderência às vagas ofertadas. “ A formação não precisa se dar em nível vertical de especialização, mas também, na diagonal, o que amplia o leque de opções aos servidores”, infere.

A Diretora Geral de Pós-Graduação Stricto sensu da PRPG, Maria Márcia Bachion, explica que anualmente a PRPG consulta a coordenação de todos os programas de pós-graduação da UFG sobre a disponibilidade de oferta de vagas para TAEs. A partir daí, o edital é construído.  Em 2020 foram oferecidas 37 vagas para o nível mestrado e 11 vagas para o nível doutorado, com ingresso no início de 2021.

Entre os aprovados no último edital está a técnica em Artes Gráficas da UFG Juliana Queiroz. Selecionada para o mestrado em Arte e Cultura Visual, ela conta que soube da existência do Qualificar assim que ingressou na UFG em 2018 e participou pela primeira vez em 2019. “ Em 2020, tive a ideia de trocar o tema do meu projeto para um objeto de estudo diferente o que me ajudou a conquistar uma vaga junto ao programa de pós-graduação em arte e cultura visual. Estou extremamente radiante e ansiosa por realizar esse meu desejo de cursar o mestrado, que é o primeiro nessa minha caminhada acadêmica tão sonhada”, destaca.

Juliana ainda ressalta a importância de se preparar para o processo seletivo do Qualificar, e traz dicas para quem quer participar do programa no próximo ano. “Em primeiro lugar, temos que nos planejar para conseguir alcançar nossos objetivos. Por uma grande coincidência, eu programei férias nas semanas que antecederam a entrega do projeto, o que me ajudou bastante, pois tive tempo de escrever e revisá-lo com calma e serenidade”.



Fonte: Secom UFG e PRPG

Categorias: notícias Propessoas PRPG