Weby shortcut
Reino Unido
Oficina FAV Projeto Polo-Goiás

Polo-Goiás: fortalecendo a cidadania por meio da memória

Criada em 04/02/19 14:38. Atualizada em 05/02/19 13:23.

Programa de Extensão promove o ensino das artes na educação básica

Texto: Gustavo Motta, com informações da coordenação do projeto

Desde 2004, a Universidade Federal de Goiás (UFG), por intermédio da Faculdade de Artes Visuais (UFG), mantém uma parceria com o Instituto Arte na Escola (IAE) através de convênio assinado pela Pró-Reitoria de Extensão e Cultura (PROEC). O fruto dessa parceria é o programa Arte na Escola - Polo Goiás, localizado no prédio do Museu Antropológico da UFG, na Praça Universitária. Uma comissão formada pelo IAE selecionou um projeto do Programa de Extensão Polo-Goiás denominado “Memórias Afetivas dos Moradores da Vila Pedroso”.

O projeto deriva de um curso à distância denominado "Aprendendo com Arte", e da formação continuada de professores, promovidos pelo instituto. A iniciativa visa a realização de atividades educativas, e tem sido promovida no próprio bairro da região leste de Goiânia, com estudantes da Escola Municipal Madre Francisca desde março do ano passado.

O espaço físico do projeto no Museu Antropológico é coordenado pela professora Valéria Fabiane Cabral, com o trabalho e o empenho da docente Noeli Batista (coordenadora pedagógica do Polo Goiás), e da servidora técnico-administrativa Lorena Reis. Mantido pela Faculdade de Artes Visuais da Universidade Federal de Goiás (FAV/UFG), o Programa se notabiliza por fornecer ferramentas que facilitam o ensino das artes.

Memórias Afetivas

O projeto selecionado partiu de perguntas dos próprios estudantes da educação básica sobre a história do bairro. A coordenação da iniciativa destaca que a proposta a ser seguida é a “compreensão do patrimônio cultural e imaterial, do resgate das memórias afetivas, visando a preservação de valores, memórias, histórias, e patrimônio locais”. Nesse sentido, a realização das atividades tem buscado a ressignificação e recriação da memória, e a potencialização do sentimento de pertencimento, “dialogando para a conscientização crítica por meio de ações que possam fortalecer a cidadania”.

Uma das atividades realizadas em 2018 contou com a participação de crianças e adolescentes, que tiveram acesso à produção de cartazes do tipo “lambe lambe”. Esse tipo de peça visual é conhecido por ocupar espaços públicos, com técnicas que fazem uso de tintas guache, spray, látex, entre outras. Nesse sentido, os estudantes visitaram o Ateliê de Gravura da FAV, com a orientação do discente Augusto Santos e da professora Magda Rissatti Martins. Os “lambe-lambes” foram o objeto de atenção dos jovens durante a aula, que ainda abordou a produção gráfica de Toulouse-Lautrec, artista francês que se notabilizou pela criação de cartazes.

Processo de produção no ateliê de gravura na FAV

Estudantes participaram da produção de lambe-lambes no Ateliê de Gravura da Faculdade de Artes Visuais (FAV/UFG)

Fonte: Secom/UFG

Categorias: Notícias Institucional