Weby shortcut
Bandeira Reino Unido
Youtube da UFG
Instagram da UFG
Picasa da UFG
Radio universitária
TV UFG
Evento quilombola

Quilombolas discutem permanência na universidade

Por Carolina Melo. Criada em 30/11/17 13:00. Atualizada em 11/12/17 09:31.

Entre as reivindicações estão aprimoramento do UFGInclui e impulsionamento da política de cotas nas pós-graduações

Texto: Carolina Melo

Fotos: Ana Fortunato

No evento de abertura do II Encontro de Troca de Saberes dos Estudantes Quilombolas, que ocorreu nessa quarta-feira (29), acadêmicos e integrantes das comunidades se reuniram para discutir os processos de inclusão e permanência dos quilombolas na Universidade, assim como o retorno aos seus territórios de origem. Algumas reivindicações foram elaboradas ao longo da discussão, entre elas, a permanência do programa UFGInclui e seu aprimoramento, de forma a garantir o acolhimento necessário aos quilombolas no espaço acadêmico e impulsionar políticas de cotas também para as pós-graduações.

Evento quilombola II

Vilmar Souza Costa, do quilombo Kalunga, abriu a mesa redonda

O presidente da Associação Quilombolas Kalunga, Vilmar Souza Costa, foi convidado para falar sobre o que a comunidade espera dos estudantes que ingressaram na universidade. Inicialmente, ele ressaltou a importância dos projetos e programas que possibilitam a entrada e o protagonismo das comunidades tradicionais no espaço acadêmico. “Quem me levou para o movimento de resistência foi a minha entrada na universidade, quando compreendi a necessidade de pesquisar a minha comunidade, resgatar a minha história e atuar em sua defesa. Ainda vejo muitos estudantes dispersos. Mas somos nós que temos que pesquisar nosso próprio território, nossas tradições. Temos que aprender também com as nossas lideranças e trazer esse conhecimento para a academia”.

De acordo com Vilmar, a pesquisa sobre o território hoje é uma demanda importante para os quilombolas, indígenas e o campesinato. Para ilustrar, citou a ameaça de construção de uma Pequena Central Hidrelétrica (PCH) na comunidade Vão de Almas, do sítio histórico dos quilombos Kalunga, assim como as lutas pela regularização para o direito real de uso das terras quilombolas. “É importante termos formação e retornar para ajudar as comunidades”, afirmou.

Evento quilombola II

Antes do debate, participantes foram convidados a dançar Mê harî, dos Apinajé

Reinvindicação

Maria Madalena do Sacramento Rocha, presidente da Associação Quilombola Extrema (Aque), no município de Iaciara (GO), e discente do mestrado em Performance Cultural da UFG, levantou a discussão sobre a dificuldade enfrentada pelos acadêmicos das comunidades tradicionais em entrar nos cursos de pós-graduação da Universidade. “Na minha comunidade temos 15 jovens que serão nutricionistas, psicólogos, farmacêuticos, professores, entre outros. Mas isso não é tudo. Precisamos seguir, precisamos ter condições de entrar nas pós-graduações. Precisamos sair do espaço de ser pesquisado para ser pesquisador”.

Evento quilombola II

Mestranda Maria Madalena, presidente da Associação Quilombola Extrema, questionou a dificuldade de acesso às pós-graduações

A pesquisadora questionou a seleção por mérito em algumas unidades, inclusive para a obtenção das bolsas de estudo, num cenário de desigualdade de condições históricas. "A educação como prática de liberdade é o caminho. Devemos explicar para as nossas comunidades que participar dos espaços é importante. Nossa fala deve estar em todos os lugares”, disse.

A reivindicação de Maria Madalena foi reforçada pelas falas de Cecília Maria, do Instituto Afro origem Inaô Goiás, e de Julio Kamêr Apinajé, indígena, discente do mestrado em Antropologia. De acordo com Cecília Maria, muitos acadêmicos ficam de fora das seleções devido às exigências da língua estrangeira. “Essa é uma questão que nos atravessa e nos cerceia. Quais projetos o Centro de Línguas direciona para os indígenas e quilombolas?”. Em sua exposição, Julio Kamêr fez a defesa do UFGInclui e da necessidade de formulação das políticas institucionais que beneficiem a entrada dos quilombolas e também indígenas na pós-graduação. “Graças à compreensão do Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, os indígenas estão entrando no curso de mestrado, mas queremos essa chance em todos os cursos”, afirmou.

Evento quilombola II

Quilombolas apresentaram dança tradicional

Compromisso

A atual coordenadora da Coordenação de Ações Afirmativas (CAAF), Marline Dorneles de Lima, agradeceu todas as sugestões apresentadas pelos acadêmicos e reforçou o seu compromisso pela manutenção a aprimoramento do UFGInclui. Segundo ela, a garantia e acolhimento dos quilombolas e indígenas são uma preocupação e reconheceu a importância de a universidade ir até às comunidades tradicionais, como suporte e favorecimento da manutenção dos acadêmicos na instituição.

Eleita vice-reitora da UFG para o próximo mandato, Sandramara Matias Chaves, afirmou ser um prazer e emoção estar presente no evento, que reflete o histórico de lutas e atuações dentro da universidade. Relembrou o processo que participou de construção e constituição do programa UFGInclui, antes da Lei de Cotas, e que se tornou referência para o País, enquanto ocupava a pró-reitoria de Graduação em 2006. “Agora estamos reeleitos, coincidentemente, num momento em que o programa irá fazer 10 anos. A ideia é que o programa seja avaliado e aperfeiçoado, jamais vamos retroceder com as conquistas. Em relação à inclusão, nosso propósito é ampliar, aprimorar e aperfeiçoar as condições de permanência dos estudantes na universidade. No atual momento de desmonte, de um discurso de privatização com orientação do Banco Mundial, temos que fazer frente e nos unir em defesa da universidade pública em benefício de todas as comunidades que podem ter acesso”, afirmou.

Participaram ainda da mesa-redonda as discentes Marta Quintiliano, do mestrado em Antropologia Social, que faz parte da União dos Estudantes Indígenas e Quilombolas da UFG, e Vercilene Francisco Dias, mestranda em Direito Agrário. Também estavam presentes a funcionária aposentada da Universidade Federal do Rio Grande (Furg), Maria da Graça Amaral, de Macanuda, primeiro quilombo do Rio Grande, no Rio Grande do Sul, e a professora da Universidade Federal de Pelotas, Georgina Helena Lima Nunes. Ambas estavam entre as convidadas das atividades ao longo dos dois dias de evento.

Evento quilombola II

Evento quilombola II

 

Evento quilombola II

Categorias : Última Hora quilombolas universidade Troca de Saberes

Listar Todas Voltar