Weby shortcut
Bandeira Reino Unido
Youtube da UFG
Instagram da UFG
Picasa da UFG
Radio universitária
TV UFG
Regional Goiás

Atuação reafirma vocação extensionista da Regional Goiás

Por Angélica Queiroz. Criada em 14/11/17 09:30. Atualizada em 14/11/17 11:16.

Entre as atuações estão graduação, pós-graduação e cursos de aperfeiçoamento voltados para a comunidade campesina

Regional Goiás

Texto: Weberson Dias/ Regional Goiás

Há anos a Regional Goiás da UFG demonstra sua vocação extensionista relacionada à comunidade do campo, a partir do envolvimento com membros de movimentos sociais, assentados, acampados, agricultores familiares e educação campesina. Recentemente, a Regional foi convidada para participar do projeto “Escola da Terra de Goiás”, do Ministério da Educação (MEC), por meio da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi), articulada com os municípios, que objetiva capacitar o quadro de professores que se identificam com as causas campesinas, atuam na rede municipal de ensino, em classes multisseriadas no campo ou em escolas quilombolas.

O projeto será ofertado até 2018 em todo o Estado de Goiás para 200 cursistas já inscritos nos cinco módulos do curso. Um total de 20% dos inscritos são da Cidade de Goiás, o que motivou também a abertura de um dos polos na cidade. Além de Goiás, outras cidades serão também polos do projeto “Escolas da Terra”: Goiandira, Monte Alegre de Goiás, Orizona e Cavalcante. Para os professores cursistas da Cidade de Goiás, as aulas acontecerão na Unidade Acadêmica de Ciências Humanas (UAECH), antigo Colégio Santana, às sextas e sábados. O projeto prevê que os docentes se revezem pelas cidades polo ministrando seus módulos aos cursistas.

Para o professor da UFG, Welson Santos, coordenador do projeto no Município, a ação é uma mostra do compromisso social que deve ser assumido pela universidade. “A espinha dorsal da proposta é fortalecer a identidade do professor campesino, para que a escola não feche as portas e os alunos não precisem se distanciar da sua cultura e de todas as questões campesinas”, destacou Santos. “A escola deve fortalecer sua formação ajustada à realidade do campo”, acrescentou ele.

Diferenciais

O convite para agregar os professores do curso de Educação do Campo da Regional Goiás, Denise Alves e Welson Santos, à equipe pedagógica do projeto partiu do coordenador geral e professor do curso de Educação do Campo da Regional Catalão, Wender Faleiro, após contemplação no projeto do MEC. Os três somam-se a outros seis professores: três da UFG/Regional Catalão, dois da Universidade Federal do Tocantins (UFT) e um da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO). O quadro total é formado por nove doutores ligados à temática da Educação do Campo, em Goiás e Tocantins.

Outro diferencial do aperfeiçoamento é que ele prevê também a Metodologia da Alternância (Tempo Universidade - Tempo Comunidade), cujo conhecimento deve ser aplicado na prática escolar do professor junto aos alunos. “Os docentes terão uma formação continuada voltada para a realidade campesina e que se distancia por completo de tudo aquilo que é pensado para a escola urbana”, pontuou a professora Denise Alves, que acredita também que o ato formativo dá visibilidade à Regional e ao mesmo tempo, cumpre seu papel social junto à comunidade. De acordo com a professora Denise, a partir do projeto, serão propostas atuações e publicações conjuntas e, sendo bem-sucedido, será reeditado, podendo tornar-se um programa institucional.

O principal objetivo da proposta, segundo o professor Welson Santos, é o fortalecimento da identidade através da educação campesina. “O projeto teve o apoio de todas as instâncias dentro da Regional”, comemorou. O projeto Escola da Terra será lançado numa sexta-feira, dia 8 de dezembro, na Cidade de Goiás, às 19h, no auditório da UAECH. A aula inaugural acontece no Congresso Interinstitucional Brasileiro de Educação Popular e do Campo & Encontro Goiano da Escola da Terra, que será realizado de 11 a 13 de dezembro de 2017, em Catalão.

Regional Goiás

Professores Welson Santos e Denise, que encabeçam o polo do projeto "Escola da Terra" na Cidade de Goiás

Direito

A graduação de Direito voltada para beneficiários da Reforma Agrária, agricultores familiares e/ou filhos dos trabalhadores rurais está em sua segunda turma. A primeira turma recebeu o nome do professor Evandro Lins e Silva, iniciou em 2007 e formou um total de 57 bacharéis de 19 estados brasileiros em 2012. Em 2013, a Regional iniciou a residência agrária em Direitos Sociais do campo, cuja turma pegou o nome emprestado de Dom Tomás Balduíno, especializando 56 formandos. A segunda turma de graduação, Turma Fidel Castro, iniciou em 2016 com 60 educandos de 13 Estados brasileiros. A abertura das turmas se deu através da parceria com o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera)/Incra. Esta última, também está inserida na Pedagogia da Alternância.

Segundo o professor e coordenador da segunda turma, Cleuton César Ripol, o grupo tem demonstrado bons resultados nas suas ações. “Embora estejamos trabalhando sem dinheiro, num momento em que a universidade pública brasileira está completamente num fiasco, porque a universidade brasileira está retrocedendo, qualquer meio passo que dermos em direção à política afirmativa será um super sucesso”, assegurou, acrescentando que a Regional tem se sobressaído em meio ao cenário que se desenha. “Pelo fato de propiciar um momento de resistência na educação inclusiva, a Regional Goiás tem conferido sucesso nestas experiências”, finalizou Ripol.

As ações extensionistas desenvolvidas são para o Diretor da Regional Goiás, professor Renato de Paula, formas de evidenciar o célebre papel da universidade. “A Regional Goiás, é neste contexto campesino, um importante agente de formação e potenciação das comunidades do campo, favorecendo a emancipação e luta política de seus moradores”, assegurou.

Fonte : Ascom UFG

Categorias : Última Hora

Listar Todas Voltar