Weby shortcut
Bandeira Reino Unido
Youtube da UFG
Instagram da UFG
Picasa da UFG
Radio universitária
TV UFG
Boletim Econômico

Economia goiana apresenta alta tímida e gradual

Por Luiz Felipe Fernandes Neves. Criada em 29/09/17 12:11. Atualizada em 09/10/17 09:45.

Boletim traz os índices de atividade econômica do estado relativos ao mês de julho e a inflação de agosto de 2017

As informações mais recentes das pesquisas do IBGE sugerem que a economia goiana continua em um processo de retomada, ainda que de forma tímida e gradual. A despeito da queda das vendas do comércio varejista, a produção industrial e o setor de serviços voltaram a apresentar resultados positivos em julho/2017 na comparação com o mês de junho/2017. Nesta comparação com o mês imediatamente anterior, a indústria registrou 6 resultados positivos no ano de 2017, enquanto que os setores de comércio e de serviços tiveram 5 resultados positivos, dentre os 7 meses divulgados pelas pesquisas do IBGE até agora.

Evidentemente, ainda não há muito a comemorar. Quando os meses de 2017 são comparados com os mesmos os meses do ano anterior, os resultados não são tão animadores. No acumulado do ano, somente a indústria goiana está no azul (crescimento de 1,4%), sendo que o comércio varejista tem queda de 9,4% das vendas e o setor de serviços redução de 6,3%.

De qualquer modo, é possível dizer que os resultados recentes da economia goiana são mais animadores do que aqueles vistos no ano passado. A indústria do estado tem sido puxada especialmente pelas produções de medicamentos e de alimentos e o setor de serviços pelos serviços prestados às famílias. No caso comércio varejista, os únicos seguimentos com resultados positivos no ano são o de vestuário e o de eletrodomésticos.

Os dados do IPCA do IBGE mostram que o mês de agosto/2017 foi de queda dos preços em Goiânia (-0,03%), puxada principalmente pela redução de 1,7% dos preços dos alimentos e de 1,6% dos preços dos serviços de comunicação. A inflação acumulada para o município de Goiânia até agosto/2017 é de 0,75, bem menor do que a verificada até agosto de 2016 (4,9%) e até agosto de 2017 (6,7%). Além de aumentar o poder de compra da população, este resultado melhora as expectativas presentes e futuras dos agentes e concorre positivamente para que haja uma retomada consistente da economia goiana. Ou seja, a inflação mais comportada certamente tem contribuído para a relativa melhora verificada na economia goiana nesse ano.

Boletim de Conjuntura Econômica de Goiás – N.89/setembro 2017

Equipe Responsável: Professores Edson Roberto Vieira e Antonio Marcos de Queiroz, Bruna Ramos Azevedo, Igor Nascimento de Sousa, Larissa Emanuelly Alves dos Santos e Mylena Ribeiro Lima.

Fonte : Face/UFG

Categorias : Última Hora Boletim Econômico

Listar Todas Voltar